Resenha: Pelo Amor de Cassandra, Série Os Ravenels de Lisa Kleypas

Resenha: Pelo Amor de Cassandra, Série Os Ravenels de Lisa Kleypas 1

📗 Título: Pelo Amor de Cassandra
✍️ Autora: Lisa Kleypas
🏢 Editora: Arqueiro
💳 Comprar: Amazon | R$ 17,91
⭐ Minha Avaliação: 5/5 ⭐⭐⭐⭐⭐
⭐ Avaliação Amazon: 4,8/5 ⭐⭐⭐⭐

Olá, queridas leitoras!

Chegou o dia da gente encerrar a série romântica mais amada dos últimos tempos! É com lágrimas de saudades que escreverei a última resenha dos Ravenels, com a bela Cassandra fechando o enredo e deixando a gente morta de saudade antes mesmo de terminar a leitura.

Em maio de 2020 eu resenhei o Chasing Cassandra, que é a versão não traduzida da Lisa Kleypas. Naquela resenha eu já deixei algumas nuances para vocês aproveitarem um pouco mais da deliciosa trama que nossa autora favorita nos proporcionou. A gente ainda nem sabia com qual título seria a versão em português, mas já morremos de amor pelo Tom e Cassandra juntos.

Agora, chegou a vez da gente se deliciar com toda a narrativa em português. Pelo Amor de Cassandra é o único título da Série Ravenels que levou o nome da mocinha da história para a capa do livro.

Para quem não sabe a ordem certinha, ou quer relembrar todas as resenhas da série: Um Sedutor Sem Coração é o primeiro, com Devon e Kathleen. Uma Noiva para Winterborne é o segundo, com Winterborne e Helen. Um Acordo Pecaminoso é o terceiro, com Gabriel e Pandora. Um Estranho Irresistível é o quarto, com Ranson e Garret. Uma Herdeira Apaixonada é o quinto, com West e Phoebe. E finalmente este, com Tom Severin e Cassandra Ravenel, encerrando uma das mais lindas séries românticas que já tivemos notícias.

Bom, chega de conversa fiada… vamos lá! Atenção, risco de spoilers!

Todo mundo sabe que o Tom Severin apareceu em vários outros livros, sempre com um ar arrogante de alguém podre de milionário, mas extremamente rude, sem se importar com nada além de negócios e riqueza.

Por alguns momentos a gente até sofreu junto com Devon pelo direito de minerar as terras que foram arrendadas a Severin, no começo da história. Além disso, tivemos vislumbres da amizade de Tom e Winterborne no livro 2… e algumas outras nuances de Tom frio e calculista.

Mas, sempre pode haver um dose amor e paixão nos aguardando ao virar a a esquina. Foi mais ou menos isso que aconteceu com Lady Cassandra!

Chegou o dia do casamento de Pandora, sua irmã gêmea e maior companheira de travessuras e aventuras. Cassandra estava genuinamente feliz pela irmã, pois ela merecia toda a felicidade do mundo. Mesmo contra todos os fatos e sortes, Pandora encontrara seu príncipe, que só faltou vir montado em um cavalo para resgatá-la e levá-la ao castelo encantado mais próximo.

Mas alguma coisa apertava seu peito. Uma angústia e uma solidão que ela nem sabia explicar. Ela se sentia vazia, e se perguntava como seriam as próximas temporadas de caça a um marido, sem Pandora por perto para tornar o fardo mais leve.

Em meio à uma crise de choro, sendo consolada pelo primo West, Cassandra se viu exposta quando percebeu que Tom Severin estava escondido, no mesmo cômodo que eles, ouvindo suas lamúrias de medo e solidão. Foi chocante descobrir que ele ouvira todo seu drama e, mais chocante ainda, receber uma proposta de casamento, ali, ao vivo e à cores. Como se ela fosse uma peça de carne à venda no açougue.

Em poucos segundos, Tom Severin ouvira os lamentos de Cassandra e chegara a conclusão que um casamento seria o arranjo perfeito. Ela teria tudo que quisesse. Ele teria uma bela esposa. Todos os problemas estavam encerrados.

Sem mais delongas, ela encontraria alguém para ocupar o cargo de marido e encerrar a busca ao romance – que não existia para todas, infelizmente; ele colocaria a última peça do seu quebra-cabeça no lugar, afinal depois de ter absolutamente tudo que um homem pode querer, a única coisa que lhe faltava era uma esposa. De preferência uma esposa da nobreza, que o elevaria em todos os meios sociais que ele desejava frequentar.

Mas, já prevíamos que não seria tão simples. Cassandra queria muito mais que apenas um marido. Muito mais que apenas noites sozinhas esperando seu companheiro que nunca chegaria porque estava envolvido com clubes noturnos, damas oferecidas e jogatinas. Ela queria muito mais que um sorriso que não encontra os olhos. Mais que uma casa cheia de criados que não trazem vida ao lar. Ela queria ser feliz e amada.

Por outro lado, Tom jamais se daria o trabalho de amar alguém. Aliás ele nem considerava o amor um sentimento possível, dentre os 5 que ele se permitia ter. Amor era uma coisa fora de questão, uma complexidade que tornava todas as coisas mais morosas, sofridas e desnecessárias. Há muitos anos ele congelara seu coração e deixara esses sentimentos menores fora de questão.

Bom… não precisou de muito tempo para Cassandra ter certeza que Tom Severin não seria capaz ser o marido que ela sonhava. E, por sua vez, Severin constatou que seria uma infeliz união. Ele a deixaria sem viço, como um cristal que precisava ser polido. Ofuscaria seu brilho, deixando-a abandonada à própria sorte, enquanto ele teria milhões de tarefas e obrigações mais úteis a serem feitas.

Infelizmente, o amor verdadeiro parecia nunca acontecer a quem o procurava. O amor era travesso e preferia se esgueirar no coração de quem estava ocupado demais fazendo outras coisas.

Trecho do capítulo 2

O tempo passou e Tom Severin não conseguia tirar Lady Cassandra da cabeça. Ele desconfiava que sua obstinação havia tornado as lembranças dela muito mais exageradas. Seria possível que ela fosse mesmo tão linda e perfeita como ele se lembrava? Seu cheiro de rosas seria mesmo o melhor perfume do mundo? Seu corpo perfeito como de uma deusa seria fruto de sua imaginação?

Cassandra se conformara que precisaria encarar sozinha os Saraus e Soirées à procura de um bom partido. Se resignara ao fato de que não conseguiria ter tudo na vida: amor, companheirismo, segurança, carinho, dinheiro, conforto, bem estar e mais a lista de benefícios que Pandora, afortunadamente – mesmo sem desejar – conseguira encontrar na vida. Ela se via em bailes, passando de braços em braços, sem nunca sentir nem o fiapo de conexão que sentira ao valsar nos braços de Tom Severin, quando estiveram juntos em Essex, no casamento de West e Phoebe.

A vida deixou um rastro de sofrimento na vida de Cassandra quando ela decidiu que seria menos exigente e se conformaria com algo menos que amor e romance. Havia chegado a hora de se permitir gostar de alguém antes que este alguém fizesse exatamente por merecer. Ela tornaria seu próprio mundo um lugar mais fácil de habitar se fosse mais condescendente com seus sentimentos. Ela aprenderia a amar o seu marido, quem quer que fosse ele.

Enquanto isso, nosso adorável Tom Severin fazia progressos em seu coração congelado. Ele se via apegando-se mais às pessoas? Seria isso possível? Afeto e carinho pareciam nem existir até então…

De repente, o pequeno mundo de Cassandra veio abaixo. Sem exatamente saber como ou porque, ela caíra em uma armadilha, causando uma enorme humilhação que mudaria a vida de todos ao seu redor. Seria seu fim e Cassandra já pensava em maneiras de se ver livre de tanta maldade, procurando uma saída para sua triste história de vida. E então…

– O senhor comprou um jornal… por minha causa? Ele pensou por um longo momento antes de responder. Então sua voz saiu em um tom que ela jamais ouvira, baixa até mesmo um pouco trêmula: – Não há limites para o que eu faria por você. Cassandra ficou sem fala.

Trechos do capítulo 15

Cassandra era tudo que ele mais queria, e, contra todas as possibilidades, estava diante de uma chance de conseguir conquistá-la, se ao menos encontrasse as palavras certas, o argumento certo…

Trechos do capítulo 16

Teremos que confiar um no outro. Essa é a função do casamento.

Fala de Tom Severin, trecho do capítulo 16

Bom, já imaginamos que vem muito romance por aí… um coração quentinho para derreter algum coração – que à essas alturas – ainda esteja congelado. Cassandra e Tom se saíram muito bem em suas negociações em busca de equilíbrio para fazer a vida dar certo. Ou, pelo menos, para tentar… Tom Severin vivenciou sentimentos que nem sabia que poderiam existir e Cassandra soube conduzir seu amante para caminhos mais iluminados, cheios de amor e respeito.

Bom, hora de chorar com o fim de Os Ravenels. A gente ainda queria muito mais. Foi delicioso acompanhar a maturidade e evolução de todos os personagens. Lembramos um pouco da série As Quatro Estações do Amor, com vislumbres de Pecados de Inverno, com Evie e Sebastian fazendo nossos corações bater mais fortes.

Deixo aqui a sugestão de leitura do último livro da Lisa Keyplas, publicado também pela Editora Arqueiro, Cortesã Por Uma Noite. Um romance – com muita pegada de suspense – que faz parte da série Os Mistérios de Bow Street. Jajá terá resenha dele aqui.

Beijos de romance, e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *